Patentes e Medalhas usadas nas forças armadas do Brasil

Tópico em 'OFF Topic' criado por CQHOLOCAUSTO, 4 de Mar de 2009.

  1. Offline

    CQHOLOCAUSTO Recém Chegado

    vejam as Patentes usadas nas forças armadas do Brasil


    [IMG]


    Medalhas

    [IMG]
    Frente da Medalha Militar de Bronze. Destina-se aos militares que tenham completado 10 anos de bons serviços prestados a força.

    [IMG]
    Verso da Medalha Militar de Bronze. Destina-se aos militares que tenham completado 10 anos de bons serviços prestados a força.

    [IMG]
    A medalha Mallet é destinada a homenagear o melhor Soldado apontador dos Grupos de Artilharia.

    [IMG]
    Medalha Mérito Batalhão Suez. Pertence à Associação Brasileira das Forças Internacionais de Paz da ONU – Seção RS e homenageia pessoas e entidades que tenham contribuído para a memória do Btl Suez.

    [IMG]
    Medalha Soldado da Paz. Pertence à Associação Brasileira das Forças Internacionais de Paz da ONU – Seção RS e destina-se a homenagear Boinas Azuis de qualquer missão Internacional de Paz.
    [IMG]
    RARA MEDALHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO
    [IMG][IMG]
    [IMG]

    [IMG]
    1. Medalha Tiradentes, da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.
    [IMG]
    2. Medalha Internacional dos Veteranos das Nações Unidas e dos Estados Americanos.
    [IMG]
    3. Medalha da Paz, pela ONU Brasil.
    [IMG]
    4. Medalha Marechal Falconière, do Exército Brasileiro.
    [IMG]
    5. Comenda da Sociedade Brasileira de Educação e Integração.
    [IMG]
    6. Comenda do Mérito Profissional, da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.
    [IMG]
    7. Cruz Acadêmica, da Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo.
    [IMG]
    8. Medalha Paul Harris, da Fundação Rotária Internacional.
    [IMG]
    9. Cruz do Mérito Filosófico e Cultural, da Sociedade Brasileira de Filosofia, Literatura e Ensino.
    [IMG]
    10. Cruz de Cavaleiro, da Ordem dos Nobres Cavaleiros de São Paulo.
    [IMG]
    11. Medalha do Mérito Histórico e Cultural, da Academia Brasileira de Arte, Cultura e História.
    [IMG]
    12. Cruz do Reconhecimento Social e Cultural, da Câmara Brasileira de Cultura.
    [IMG]
    13. Colar José Bonifácio, da Sociedade Brasileira de Heráldica e Medalhística.
    [IMG]
    14. Comenda da Câmara Brasileira de Cultura.
    [IMG]
    15. Medalha de Reconhecimento, da Câmara Brasileira de Cultura.
    [IMG]
    16. Medalha do 2º. Centenário do Nascimento de José Bonifácio de Andrade.
    [IMG]
    17. Medalha Ulysses Guimarães, da Ordem dos Parlamentares do Brasil.
    [IMG]
    18. Medalha da Unicef da União Européia.
    [IMG]
    19. Medalha Comemorativa dos 25 Anos do Mestre DeRose em Portugal.
    [IMG]
    20. Esplendor do Mérito Histórico e Cultural
    [IMG]
    21. Medalha comemorativa dos 200 anos da Justiça Militar da União.
    [IMG]
    22. Láurea D. João VI em comemoração pelos 200 anos da Abertura dos Portos.
    [IMG]
    23. Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência, do Exército.
    [IMG]
    24. Medalha do Bicentenário dos Dragões da Independência, do Exército.
    [IMG]
    25. Cruz da Paz dos Veteranos da Segunda Guerra Mundial
    [IMG]
    26. Medalha do Rotaract
    [IMG]
    27. Medalha Olavo Bilac.
    [IMG]
    28. Medalha do Mérito da Força Expedicionária Brasileira.
    [IMG]
    29. Medalha MMDC, comemorativa da Revolução Constitucionalista de 1932.
    [IMG]
    30. Medalha Ulysses Guimarães, da Ordem dos Parlamentares do Brasil (segunda).
  2. Offline

    Margoiano Recém Chegado

    Re: Patentes usadas nas forças armadas do Brasil

    nao to conseguindo ver as imagens :(
  3. Offline

    CQHOLOCAUSTO Recém Chegado

    Re: Patentes usadas nas forças armadas do Brasil


    Eu estava editando tenta agora
  4. Offline

    TexRanger Recém Chegado

    legal :D

    mas tipo como eles sabem que tu ja ta pronto para ser promovido e talz ?
  5. Offline

    Shucrut Recém Chegado

    Muito bom o tópico! Obrigado por colocar as patentes em uma única imagem. E sobre as medalhas, a mais bonita para mim é do Soldado da Paz. Acho lindo o uniforme do pessoal do ONU.

    Valeu
  6. Offline

    MiNiNaUm Recém Chegado

    Pow q joia, nunca tinha visto detalhadamente essas coisas
  7. Offline

    Matheus5 Recém Chegado

    da para ver que a nexon uso umas ou parte delas nas patentes do jogo a ultima msm tem ate as 5 estrelas. dahora
  8. Offline

    NaRiZ Recém Chegado

    Boa, para galera que não conhece ficar por dentro!
    Eu já conhecia isso, fui militar por 2 anos! ^^
    E até acho que as patentes do fórum tinham que seguir as patentes do exército brasileiro!
  9. Offline

    Streme123 Recém Chegado

    "Frente da Medalha Militar de Bronze. Destina-se aos militares que tenham completado 10 anos de bons serviços prestados a força. "


    Muito legal, meu avô tinha uma dessa nao sabia o que significava.

    emocionou :chorando:
  10. Offline

    Smoke Recém Chegado

    Rox, queria ter pelo menos todas do Exército :pisc2:
  11. Offline

    CQHOLOCAUSTO Recém Chegado

    FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS

    Interesses corporativos influem no efetivo

    Número de militares não atende apenas às estratégias de dissuasão e presença, mas também a um pacto silencioso

    [IMG]

    Especialistas civis e alguns militares consideram que as Forças Armadas brasileiras têm pessoal demais e equipamento, preparo e capacidade operacional de menos. A suposta resistência das três Armas em reduzir seus efetivos, deslocando dinheiro e energia da quantidade para a qualidade, leva os críticos a suspeitar de que o principal motivo seja corporativista: a uma redução no número de soldados corresponderia um corte no número de oficiais, que os comandam, nas proporções da pirâmide das patentes.

    Os militares argumentam que, dadas as dimensões territoriais do Brasil, para atender à estratégia da presença, é necessário manter o atual efetivo, que soma 310 mil homens. Segundo eles, o Brasil, com 165 milhões de habitantes, tem proporcionalmente menos militares do que os seus vizinhos, se forem consideradas as respectivas populações e territórios. A Argentina, por exemplo, tem 70 mil militares na ativa, para uma população de 34 milhões. O Chile, 93 mil, para 14 milhões. É um militar para 550 habitantes no Brasil, para 485 na Argentina e para 200 no Chile.

    [IMG]

    Os críticos rejeitam essa abordagem. Afirmam que não é assim que se calcula o efetivo adequado para um país, mas pela relação entre as necessidades de defesa e as possibilidades materiais. No caso do Brasil, o efetivo deve atender a duas estratégias básicas, estabelecidas pelas próprias Forças Armadas: a dissuasão e a presença. O Exército reconhece que apenas metade de seus 200 mil homens se mantém em condições de ação rápida e pronto emprego. Essas são as condições que atendem efetivamente ao imperativo da dissuasão, ou seja, de desencorajar eventuais agressões.

    A outra metade se justificaria pela estratégia da presença. Acontece que as ameaças potenciais estão concentradas no norte, devido à instabilidade em vizinhos como a Colômbia e à vulnerabilidade da Amazônia, e não mais no sul, como até a década passada, graças à distensão na área do Mercosul. Mas menos de 20% do efetivo está na Amazônia, que representa metade do território nacional.

    O Exército argumenta que não pode transferir mais brigadas do que as que já foram para lá. O principal argumento é falta de infra-estrutura. Segundo os militares, nenhuma outra cidade da Amazônia tem condições de receber brigadas, além das que já têm: Porto Velho (RO), Tefé (AM), Boa Vista (RR) e Marabá (PA).

    [IMG]

    Custo político – Os militares reconhecem, no entanto, que a falta de infra-estrutura – ou de dinheiro – não é o único motivo. Fechar bases em cidades pequenas nas outras regiões, para transferir tropas para o Norte, tem alto custo político. As unidades do Exército desempenham papel importante na economia dessas cidades. Prefeitos têm acionado governadores e deputados, que batem na porta – literalmente – do ministro do Exército, para exigir a manutenção das bases. Geralmente, são bem-sucedidos.

    Somando os 50% do efetivo capacitados para o pronto emprego com os 20% que exercem o papel da presença na Amazônia – considerando que não haja superposição deles –, restam 30% de pessoal cuja necessidade é posta em dúvida pelos críticos. Os militares argumentam, no entanto, que as Forças Armadas brasileiras não se destinam apenas às tarefas estritamente militares.

    Há, ainda, as atividades subsidiárias, como, por exemplo, o apoio à polícia ou a distribuição de alimentos, por parte do Exército; a segurança no tráfego aéreo e a administração dos aeroportos, pela Aeronáutica; a segurança da navegação, a assistência a populações ribeirinhas e as operações de salvamento, por parte da Marinha. Em muitos pontos do País, sobretudo na Amazônia, os militares são o único braço do Estado, enfatizam todos eles.

    [IMG]

    Mesmo assim, membros da cúpula das Forças Armadas admitiram ao Estado que não teriam o que fazer com seus oficiais, se reduzissem o efetivo na base da pirâmide. No Brasil, a carreira militar é permeada por uma espécie de promessa, mais ou menos explícita, de que, fazendo tudo como deve, o militar irá para a reserva com boa patente – e pensão. Esse pacto silencioso, que nenhum general quer romper, demanda a manutenção de efetivo correspondente na base.

    Não há esse compromisso, por exemplo, nos Estados Unidos, onde as Forças Armadas são 100% profissionais – diferentemente do Brasil, onde mais de 10% do pessoal do Exército é recrutado pelo serviço militar obrigatório. Lá, o efetivo vai sendo calibrado ano a ano, de acordo com as necessidades de emprego.

    Esse é um dos pontos mais sensíveis para as Forças Armadas brasileiras, porque atinge os militares em suas perspectivas pessoais. Grande parte da resistência à criação do Ministério da Defesa e – uma vez tomada a decisão política – à delegação de poderes efetivos de planejamento da defesa para o novo cargo decorre do temor da redução de efetivo. Em tese, ministros militares tendem a ser mais sensíveis a esse tipo de preocupação do que os civis.



    Fonte: O Estado de S. Paulo - 27/04/2003


    Alan Henriques De Araújo, Economista e analista de assuntos militares editor dos sites na WEB: "Economia e Estatística" e "U.S.Navy" é Articulista e autor do artigo publicado no site Economianet. Com o título "Crescer e Concentrar", também publicado no Jornal "A UNIÃO" em Setembro de 2000.
  12. Offline

    Shucrut Recém Chegado

    Muito legal a matéria CQHOLOCAUSTO, apesar da data de 2003!

    Achei pouco o número de helicópteros! Caças também temos poucos. Agora se eu fosse uma das pessoas de grande influência no exército não deixaria divulgar essas informações - principalmente números de aviões. Será que os E.U.A informa de forma 100% precisa quantos caças tem?

    Obrigado por compartilhar com nosco do fórum essas informações.


    valeu.
  13. Offline

    CQHOLOCAUSTO Recém Chegado

    Disponha shucrut, sempre que achar algo interessante e relevante postarei aqui no forum!!!
  14. Offline

    AquaMan_BR Recém Chegado

    Bom topico. to até pensando em me alistar no exército kkkkkkk
  15. Offline

    benD- Membro Popular

    legal, sempre tive a curiosidade desaber como era!

Compartilhar

  • YouTube
  • Facebook
  • Twitter
  • Google +